Cultura Brasileira: no ar desde 1998

Aforismos da Modernidade

 

 

        Nem tudo o que causa escândalo é verdade, radical, mas o que não causa escândalo algum neste mundo de falsidades e hipocrisias é, obrigatoriamente, mentira!

        Deixa tua LUZ brilhar mais que as trevas que te cercam!

       Se tens traçada uma meta, um ideal, se sabes, enfim para onde vais, ainda que seja difícil, hás de conseguí-lo. Se não sabes sequer para onde, como hás de chegar a qualquer ponto?

       Ó povo estúpido que conservas o que precisa ser renovado e vives a renovar o que se deveria conservar, quando tereis juízo?

        O capital se alimenta de mediocridade. Os que não blefam, os que não se curvam ao bezerro de ouro chamado Mammon, os crítico-libertários, enfim, são considerados, via de regra, bestas obscuras, quando não mentalmente nefandos.

        O mercado é a definitiva estupidez a desserviço da inteligência humana.

        A maioria pediu que soltasse Barrabás, a maioria apoiou a ditadura hitlerista na Alemanha, a maioria delirou com Stálin na então União Soviética, a maioria acredita em seus governantes. A maioria, em síntese, nunca tem razão!

         Há muito de suspeito naquilo que todos dizem. Em geral, onde está o excesso de concordância acrítica, está também a falta de inteligência, o comportamento bovino ou como dizia o grande tricolor Nelson Rodrigues, "toda a unanimidade é burra!"

         Quando os pequenos se unem no ideal de uma vida mais cômoda - e são maioria - fica muito difícil trabalhar em prol da grandeza e dos grandes ideais, pois os mesquinhos tudo farão para não deixar seu pequeno mundo. Pequeno, mas confortável.

        "Cambalache", esta gíria portenha dá bem idéia de como estão as coisas hoje em dia. Tudo fora do lugar, tudo de cabeça para baixo. Os loucos acusando os humanistas de "loucura", isso quando ocorre de não tomarem a direção do hospício.

        Toda e qualquer pessoa ou instituição que prospere ("enriqueça" ou coisa que o valha) dentro dos marcos do atual modelo econômico e social vigente, faz mais que reificá-lo: insere-se decidida e resolutamente em sua defesa na prática, mesmo que o critique na teoria.

        Entre a mão tácita do amor jovem e a mão jovem do amor tácito.

       Reforma agrária: Dai-me terras, sementes, uma enxada, uma foice e um martelo: construirei assim a mais linda das florestas de pão. E nela a minha casa, a minha felicidade, o meu amor...

        As pessoas precisam, até para que possam estruturar-se "bem" psiquicamente, estraçalhar com a reputação de quem querem despedir-se. Não basta dizer "obrigado, adeus". É preciso que acreditem, com todas as fímbrias de seus seres que 'tratava-se de um(a) calhorda, já o sabia...'"

 

 
 

         Lei pétrea do Capetalismo: Nunca demonstre teu infortúnio – Há aqueles que poderiam ajudá-lo e aqueles que não poderiam. Se manifestares teu infortúnio, os que te amam mas nada poderiam fazer, sofrem. Os que não te amam, rejubilam-se. Os que te amam e poderiam ajudá-lo, informam sinceramente compungidos nada poder fazer. Os que não te amam, aproveitam-se da ocasião para tornar teu infortúnio ainda mais amargo.

Objeções à ortodoxia freudiana:

1 - A "ajuda" psicanalítica visa, em última instância, permitir ao "paciente" gozar do convívio social, por mais que a organização social esteja insatisfatória. Mas se foi justamente a (des)organização social vigente que o levou a precisar daquela "ajuda"... Qualquer reformador social, poeta, profeta ou artista que se submeta a qualquer forma de psicanálise estará "matando" justamente a sua fonte de sabedoria, de inspiração, de... loucura mesmo!

2 - O psicanalista, através de um sofisticadíssimo jogo de poder, trata-se a si mesmo, sentindo-se incrivelmente bem, se comparado ao lamuriento farrapo humano que se desmancha sob o seu olhar de esfinge...

Bilhete aos stalinistas: acho que já deu para perceber que não é expurgando, calando, coagindo ou assassinando pessoas que se prova a veridicidade de um certo ponto de vista, ao contrário! O caminho da verdade está em outra direção...

Morra o inferno. Faça-se o sonho!

Não mais fugas ou adiamentos! Se não eu, quem? Se não agora, quando?

“Não devemos abdicar de nossos sonhos, nem substituí-los por anseios menores. Devemos batalhar sempre, intransigentemente, pela concretização de nossos mais elevados ideais!”

Lázaro Curvêlo Chaves - Julho de 1998

 
 
Copyleft © LCC Publicações Eletrônicas Todo o conteúdo desta página pode ser copiado e divulgado para fins não comerciais. É educado sempre citar a fonte...