Cultura Brasileira: no ar desde 1998

A Ditadura Descarada do Mercado de Capitais

 

O Brasil, a Cebola e o Desemprego (o verdadeiro, não o da Propaganda)

          Existe um jornal humorístico estadunidense chamado “Onion” – cebola, em inglês – que recentemente estampou a seguinte notícia: “Cresce o número de obesos nos EUA. Governo estima em 30% a taxa de obesidades e ataca o problema baixando Decreto Lei (ou o equivalente por lá) determinando que só seja chamado de “obeso” quem pesar mais de 300 Kg. Imediatamente a taxa de obesidade nos EUA baixou para menos de 1%!”

          No Brasil isso é feito A SÉRIO com as Taxas ou Índices de Desemprego. O Ministério do Trabalho e Emprego, mês a mês, paga o paliativo e insultuoso (e temporário...) Seguro Desemprego a cerca de 8.000.000 (oito milhões, em média, entre janeiro e dezembro) de seres humanos portadores de carteira de trabalho, ou seja, 40%. QUARENTA POR CENTO DOS TRABALHADORES BRASILEIROS ESTÃO DESEMPREGADOS. O governo ataca o problema com propaganda através dos bem remunerados Institutos de Pesquisa (Datafolha, Ibope, IBGE, FGV...). Depois de várias mudanças de metodologia, agora o desemprego passou a ser mensurado com o uso de um termômetro medicinal. Quem consegue manter uma temperatura corporal entre 36º e 37º é considerado “empregado”. Assim, a febre do desemprego no Brasil, medida por estes arúspices (*), gira em torno de 1 a 3% no máximo. Coisa de Onion”!

        Já assistiu as propagandas governamentais? Que beleza de país, com tudo funcionando bem, todo mundo honesto, pleno emprego, salários altos, consumo de bens crescente, nada faltando, saúde pública "modelo para o Primeiro Mundo", educação pública extraordinária... Você não fica com vontade de se mudar para lá?

          Eu fico... Aqui no Brasil real, onde vivo, todas as coisas estão funcionando (?) ao contrário da Propaganda :(

 
 

 

Os Médicos cubanos

         FATO por trás de todo esse debate: o governo brasileiro premiou certo número de petistas e filo-petistas com cursos de medicina em Cuba. Agora precisa dar-lhes emprego. Só isso. É uma boutade(***): muita propaganda em torno de coisa alguma, muito barulho para nada!

          Se o programa “Mais Médicos” fosse algo voltado – de fato – a resolver a crescentemente grave crise no Sistema Público de Saúde brasileiro, o resultado, todos já perceberam, é menos significativo que uma minúscula gotinha d’água no oceano.

          Estima-se que o Brasil precisa, hoje, de cerca de meio milhão de novos médicos (bem remunerados e competentes, ça va sans dire) a fim de nos aproximarmos minimamente da situação de saúde pública vigente nas décadas de 30 e 40 do século passado em nosso país. Quanto voltamos no tempo em termos humanos para que pudessem os mais ricos viver ainda mais confortavelmente...

          O decréscimo – tanto qualitativo e quantitativo quanto mesmo do ponto de vista da valorização profissional – nos sistemas de saúde e educação públicas é gritante. Exemplos?

         Na década de 30 não raro Juízes de Direito (concursados e togados) prestavam novo concurso para a – então – melhor remunerada carreira no Magistério Público. Meio brincando, meio a sério, diz-se que, na década de 30 do século passado se um médico desejasse se casar com uma menina e ela o rejeitasse, a mãe a mataria; hoje, se uma menina deseja se casar com um médico a mãe ameaça matá-la. Profissionais tratados com respeito e seriedade há menos de um século, hoje estão reduzidos à proximidade da mendicância: um médico do SUS recebe menos de USD 2 (dois dólares – uns R$ 5,00) por consulta, enquanto um professor recebe, por aula, valor inferior ao de uma banana nanica.

          Nas décadas de 30, 40 e até a de 50, Professores e Médicos da Rede Pública tinham sua profissão – Orgulhosamente! – como “Sacerdócio”: usavam paletós e jalecos, viviam atualizados nos temas internacionalmente de ponta em suas áreas, recebiam o respeito do governo e, com ele, enorme respeitabilidade social. O avanço do capitalismo sobre estas duas profissões tornou até a palavra “sacerdócio” anátema (do grego “a” = “não”; “tema” = “algo de que se pode ou deve falar”; anátema = tema proibido) para uso de Profissionais. Não recebem mais o tratamento respeitoso que se devotava outrora aos Sacerdotes, mas o tratamento comercial da carne humana no mercado de trabalho dentro de qualquer Profissão. Usualmente, quando um médico ou professor hoje, age dentro do respeito às normas do mercado de carne humana embora agrida sua atividade primordial, faz questão de afirmar: “eu sou um Profissional!” – e todos se calam confusos e desapontados.

         No mundo globalizado deste século XXI – nome novo do velho demônio capetalista – pululam os Planos de Saúde Privados e as Instituições Privadas de Ensino. Retrato quiçá do inconsciente, a expressão “privada” se adequa perfeitamente ao nível a que chegou o tratamento da saúde e da educação do povo brasileiro; ao nível mesmo da latrina... L Motivo de Protestos Crescentes no Brasil, o Conselho Federal de Medicina e os Conselhos Estaduais de Medicina alertam para os baixíssimos salários dos profissionais da rede pública de saúde.

          Já SE FOSSE para resolver o problema – que se agrava momento a momento cada vez mais – de Saúde Pública no Brasil seria preciso:

1 – Melhorar a qualidade do Ensino da Medicina nas Universidades Públicas e PROIBIR as privadas de lidar com algo tão sério quanto vidas humanas em seus momentos mais fragilizados.

2 – Ampliar substancialmente a formação de médicos nas Universidades Públicas. Algo como 200 mil médicos por ano até atingirmos menos de um médico para cada 20 brasileiros. E BEM REMUNERADOS!

3 – Tornar a profissão da medicina mais atraente através de salários dignos, planos de carreira, promoção de atualizações frequentes no Brasil e no exterior.

 4 – Finalmente, quando houver um número relevante de médicos bem formados em Universidades Públicas e fabulosamente remunerados no Brasil, fazer a única coisa que este governo faz bem: PROPAGANDA. Enaltecer o médico que trabalha no Sistema Público de Saúde – PROIBIR os Planos de Saúde Privada – mostrando a vida do médico no cotidiano, agora melhorada, com salários gordíssimos que até os juízes do supremo passam a invejar o médico do SUS; em novelas o que as donzelas (e as mães, por definição, preocupadas com o bem estar salarial do candidato a marido de suas filhas) mais desejam é “casar-se com médico”. O mesmo valerá para o Professor, desde que se tomem as medidas necessárias neste sentido também, claro. Mais detalhes aqui: http://www.culturabrasil.pro.br/educacao.htm

EM TEMPO: Cuba já não é o "Território Livre na América" que foi entre 1961 e 1987. Vem decaindo muito depois que os EUA derrotaram a União Soviética na chamada "Guerra Fria". Os soviéticos pagavam preços maiores que os de mercado pelo açúcar cubano em troca de que vendiam baratinho o petróleo que a Rússia produz. Em 2013 as manchetes do Granma estampam coisas como "Cuba paga mais uma parcela de sua dívida para com a Rússia" ou "Dólar segue em cotação estável em Cuba". "Dívidas" com a Rússia? "Dólares" sendo cotados em Cuba?

          De toda forma, após três décadas, quase quatro, de socialismo humanizado em Cuba, que segue tendo a melhor medicina tropical do mundo e a maior quantidade de médicos por paciente de toda a América e muitas conquistas do socialismo seguem vigentes e firmes, o pessoal que foi estudar lá provavelmente - há sempre o "fator jeitinho brasileiro", difícil ter certeza...- provavelmente ajudem no resgate ético do país. É de se supor que, longe da corruptocracia local e em ambiente saudável por um bom período haja feito algo pelos corações e mentes (não miseravelmente pelo intelecto) desse pessoal... A esperar e ver. 

 

 

Descarados!

Banalização do Mal

Eichmann em Jerusalém - Ensaio sobre a banalidade do Mal - Hannah Arendt

            Já conversou com um(a) desses(as) operadores(as) de telemarketing que trabalham para um desses bancos ou corporações, como de telefonia celular, SAC de alguma empresa ou coisa assim?

            Em primeiro lugar fica patente o despreparo linguístico da pessoa do outro lado. Não é ela culpada. É mal educada mesmo. No sentido amplo, não estrito, do termo, naturalmente: como vem de uma geração em que as mães precisaram sair de casa para trabalhar e complementar a renda familiar face ao salário decrescente e carga de trabalho crescente do marido, não aprendeu as coisas que se aprendia com a mãe nos bons tempos: “fala obrigado pro moço”; “quando pedir algo, não se esqueça de dizer por favor”, “quando estiver em grupo, como numa sala de aulas, seja cordial com todos”, “devolve o lápis do coleguinha”, coisas assim. Além disso, com o desabamento intelectual, educacional, cultural e moral dos brasileiros que se segue ao ingresso na Globalização Estadunidense, agride o vernáculo e nossos ouvidos com gerundismos “vou estar fazendo – ou providenciando – tal coisa”; americanismo, em Português não existe o tempo verbal Future Continuous e se faz ou não, se providencia ou não. Jamais se diz “vou estar providenciando...” até dói no ouvido! E coisas ainda piores: “Fulano vai vim”. Peraí, o Fulano VAI ou VEM. Se o que se deseja expressar é “virá”, por quê não fazê-lo? Tentativa de parecer erudito(a) e cair no ridículo por causa disso? Ou... “Está somente cumprindo ordens”?

          Esta era a tentativa de defesa preferida por 10 entre 10 criminosos de guerra nazistas no julgamento de Nuremberg: “Só estava cumprindo ordens, tentando manter meu emprego”. Ali ficou patente que jogar fora a própria consciência para “cumprir ordens” imorais num emprego, digamos de “exterminar indesejáveis ao governo nazista” não se justifica nem tem perdão! A filósofa Hannah Arendt chama a isso de “banalização ou banalidade do mal” em sua Obra Clássica “Eichmann em Jerusalém - Ensaio sobre a banalidade do Mal”. Nas Grandes Corporações citadas funciona mais ou menos assim também. Quem te atende não é a pessoa que vendeu o produto tampouco te conhece: “encaminha ao departamento encarregado”. E você chega a outra pessoa, como a maioria dos brasileiros nesta era maldita lulo-petista, mal educada também. E por fora! Você tem que contar a história toda novamente, desde o início. Aí a pessoa, se tiver boa vontade, descobre finalmente qual é o setor ou departamento ao qual você precisa se dirigir para ter o seu problema resolvido (curioso: eles criam um problema para nós e o problema passa a ser “nosso” e um deles, a se descobrir quem, “fica feliz em ajudar a solucionar”). Novo contato, outro mal educado, contas a história toda do começo novamente... Olha, a maioria dos brasileiros desta era neoglobalizada lulo-petralha é composta por mal-educados por definição e, em geral, desiste ali pela quarta ou quinta transferência de ligação ou atendente. Conto nos dedos os PINHÉS(**) como eu, que insistem até o final e aproveitam os momentos de silêncio para EDUCAR o telemarqueteiro quanto ao que sejam as “Corporações” e, eventualmente, noções rudimentares de gramática da língua portuguesa (não “esteja providenciando”, PROVIDENCIE! Fulano não “vai vim”, caralho, VIRÁ! “Os Bancos e Corporações, por definição são PSICOPATAS” – Joel Bakan), enfim, se não der certo de todo e houver uma “agência reguladora” a quem apelar (Mais um calvário, mas fazer o quê? É ir até o final ou nem começar!) pega-se um “número de protocolo” – em geral, nos Bancos e Corporações cada atendente te dá um “número de protocolo” diferente e não adianta nada referir-se a um anterior, senão eles precisam contar o tempo desde o primeiro contato e estão orientados – “cumprem ordens” – de postergar ao máximo qualquer reclamação.

          Contratações de serviços, em geral são facílimas! Por vezes se contrata uma besteira idiota qualquer simplesmente clicando distraído quando o celular toca. E pra sair do enrosco é uma novela. De terror. Como dizia minha vó, “Parece macumba! Entrar é fácil, mas não sai nunca mais!”

          Sério agora: NINGUÉM se responsabiliza. O CEO (Diretor-Presidente ou o que o valha) do Banco ou Corporação tece as estratégias e dá as ordens. Um ajudante de ordens delega competências distintas e a coisa toda vai se diluindo. Quem aplica a pena final, seja pagar caro por um péssimo serviço (Plano de Saúde Privada, Telefonia Celular, Serviços Bancários, etc.), seja evadir-se de qualquer possibilidade de te tirar da enroscada em que te enfiaram é um menino de recados desinformado e, como a maioria dos brasileiros contemporâneos, por definição, mal-educado.

          Resumindo algo vulgarmente “A Corporação” de Joel Bakan e Mark Achbar, a coisa funciona como um pinico bem comprido e furado. O CEO caga lá em cima e a merda se espalha cá embaixo onde os serviços são prestados ou os produtos são entregues.

           Se pelo menos esses putos tivessem uma cara para a gente encher de socos! Aí é que está o maquiavelismo do sistema corporativo privado neste mundo globalizado: é uma ditadura descarada, sem cara, sem face... Seria menos complicado se pudéssemos personalizar a coisa, dar um nome ao Grande Inimigo. Afinal é complicado demais ao povão metabolizar a compreensão do funcionamento do Grande Mal a ser combatido: o sistema corporativo centralizado mundialmente em Wall Street como nos diz Ignácio Ramonet em “Vozes Contra a Globalização”.

 
 

 

Aos poucos o povo vai despertando, protestando ciclotimicamente, a início, contra este ou aquele aspecto desta Ditadura Descarada. E não foi diferente na luta contra o Domínio Temporal Absoluto da Igreja Católica Romana durante os Mil Anos de Trevas da Idade Média? Aquele período de trevas acabou. Levou MIL ANOS para acabar. E a atual Idade das Trevas do Sistema Corporativo de Wall Street, quanto tempo durará? Estaremos (ou nossos filhos, ou netos, ou bisnetos...) vivos para ver e vivenciar sua derrocada inexorável pois insustentável? Oxalá!

          Daqui faço o que posso, dentro de minhas limitações. Mas a luta é grande, demorada e complicada. Jean-Paul Sartre dizia, em situações assim, que somos “metade vítimas, metade cúmplices”. Claro! Se na Idade Média, só a Igreja tinha dinheiro para patrocinar os artistas, arquitetos, construtores, pensadores e criadores, hoje em dia só os Bancos e as Corporações conseguem fazê-lo. Assim, cada um de nós tem pelo menos um membro da família trabalhando diretamente numa destas Corporações ou Bancos; por falta mesmo de alternativa, a quem mais apresentar sua carne à venda no mercado de carne humana, chamado “mercado de trabalho” que não a esses psicopatas de hoje? Quanto tempo ainda durarão estas trevas?

          Desesperando e Ateu, termino estas linhas com uma prece musicada e poética do compositor “Garoto” – Gente Humilde: ("...E eu, que não creio/Peço a Deus por minha gente/É gente humilde/Que vontade de chorar...)

Lázaro Curvêlo Chaves – 28 de Agosto de 2013

Revisado a 5 de Janeiro de 2015

 
 

 

Para saber mais sobre a desgraceira da Ditadura do Mercado de Capitais, visite ainda:

Vozes contra a Globalizacão - um outro mundo é possível

O Sequestro da América - Título Original: “Predator Nation: Corporate Criminals, Political Corruption, and the Hijacking of America” – Charles Ferguson (uma resenha) - 30/10/2013

De como o PT se transformou num partido de ideologia fascista e comportamento fisiológico

Da Herança Maldita de FHC à Era da Traição de Lula da Silva

D. Pedro Casaldáliga, Bispo Prelado de São Félix do Araguaia, Contra a Globalização

Cemitério do Sertão - D. Pedro Casaldáliga

Imagens do Telescópio Espacial Hubble nos convidam a uma reflexão: quem é o dono da Terra mesmo?

¿Puedes? - Nicolás Guillén

Little Rock - Nicolás Guillén

Da Servidão Moderna - Jean-François Brient

Sociologia - Breve Introdução às Ciências Sociais

Falsa Esquerda Alimenta o Anticomunismo

Algumas Obras de Jean-Paul Sartre

"O Inferno são os outros"- Jean-Paul Sartre

"Metade vítimas, metade cúmplices, como todo o mundo" - Jean-Paul Sartre

 

Mais dicas de leitura, clique aqui mesmo!

* - Chamava-se de “arúspice” o Profeta que, no Império Romano, após sacrificar um galo, vaticinava o que ocorreria no mundo real a partir do estado das “entranhas” – fígado, coração, intestinos, papo... – do bicho. Arúspice hoje é o nome pelo qual carinhosamente conhecemos todos os que se formaram em Economia numa dessas Universidades subvencionadas pelo Mercado de Capitais ou Funcionário de Institutos de Pesquisas como o IBGE, a FGV ou o Datafolha.

** - Gavião Pinhé - Espécie de Falcão, é uma ave conhecida pela pertinácia, por jamais perder de vista a presa e, quando a agarra, só larga se der trovoada, como dizem que fazem as tartarugas quando mordem. Abaixo uma foto de uma destas aves persistentes:

*** - Boutade, s.f. - Pensamento ou dito sutil, original e imprevisto que contraria propositadamente a verdade. No caso em tela, serve ainda como Propaganda Governamental - que, naturalmente, virou sinônimo de mentira.

* * *

Já este é Garoto, o Compositor de "Gente Humilde"

"Gente Humilde" teria surgido durante uma visita de Garoto a um subúrbio carioca. De repente, ao observar aquelas pessoas e suas casas modestas, ele resolveu homenageá-las numa canção. Tempos depois, a gravaria num acetato para o professor mineiro Valter Souto, registro que asseguraria a sobrevivência da composição, mantida inédita em disco comercial.
Finalmente, quase quinze anos após a morte de Garoto, Baden Powell mostrou-a a Vinícius de Moraes que, apaixonando-se pelo tema, deu-lhe uma letra em parceria com Chico Buarque. Aliás, uma letra primorosa que, segundo o próprio Chico, é quase toda de Vinicius: "São casas simples, com cadeiras na calçada / e na fachada escrito em cima que é um lar / pela varanda, flores tristes e baldias / como a alegria que não tem onde encostar..."
Muito antes, porém, houve uma outra letra ("Em um subúrbio afastado da cidade / Vive João e a mulher com quem casou / tem um casebre onde a felicidade / bateu à porta, foi entrando e lá ficou...") de um poeta mineiro, que preferiu se manter no anonimato. Com esta letra, "Gente Humilde" foi cantada em programas da Rádio Nacional por Zezé Gonzaga e o coral Os Cantores do Céu, em arranjo de Badeco, do conjunto Os Cariocas (A Canção no Tempo -- Vol. 2 -- Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello -- Editora 34).
 

 
Copyleft © LCC Publicações Eletrônicas Todo o conteúdo desta página pode ser copiado e divulgado para fins não comerciais. É educado sempre citar a fonte... Contato: https://www.facebook.com/lazaro.chaves