Cultura Brasileira: no ar desde 1998

O Dia Seguinte

 

             Dois dias após o segundo turno das eleições passadas, mais precisamente a 28 de outubro de 2014, dois vídeos foram divulgados pela Internet, um de Aécio Neves, através do Facebook, e outro do Lula, através do Youtube.

              No dia que saiu, considerei se haveria ali algum tipo de "diálogo" entre as partes. Não há. Estão falando assuntos diferentes. Lula analisa o resultado das eleições a partir de uma perspectiva petista (a expressão é dele e inseri o vídeo aí embaixo para que, quem o desejar, confira...). Aécio pede calma a seus eleitores, dirige-se a uma audiência bem mais restrita, no Facebook (que depois se espalhou, nem poderia ser diferente) informa que está firme e que seguirá firme na fiscalização dos atos do governo (implicitamente reconhecendo-lhe a legitimidade, com muita dignidade) que esse é o papel da oposição em toda a democracia. Temas distintos, videos feitos em lugares distintos e dirigidos a platéias distintas. Nenhum dos dois está respondendo ao outro naquela circunstância e tendo a crer que sairam no mesmo dia mais por coincidência que como estratégia de marketing.

           Posto, com orgulho, o vídeo do Aécio, com 1 minuto e 44 segundos de duração, vídeo caseiro, com ele vestido de branco e buscando serenar os ânimos, com o texto elaborado por ele mesmo, demorei um bocadinho para encontrar uma forma de inserí-lo na minha página. Aqui está

 

Amigos,

Agradeço, mais uma vez, aos 51.041.155 brasileiros que votaram a favor da mudança. Dediquei todas as forças do meu coração à oportunidade de construirmos um novo Brasil. Juntos, enfrentamos uma campanha desigual. Uma campanha de mentiras e infâmias. Uma campanha em que a máquina pública foi colocada a serviço de um partido, afrontando todos os brasileiros.

Apesar de tudo isso, tenho imenso orgulho de cada um de vocês e do que, juntos, construímos nos últimos meses. O Brasil despertou. Ocupamos as ruas com alegria e esperança. Descobrimos que somos muitos. Que somos milhões.

Assumo com cada um de vocês o compromisso de permanecer firme no exercício da oposição e na defesa de um país honesto, digno e justo.

Faço aqui duas convocações, homenageando dois grandes brasileiros:
"Não vamos desistir do Brasil!", nos disse Eduardo Campos
"Não vamos nos dispersar!", nos disse Tancredo Neves

Vamos em frente, unidos, pelo Brasil!

Obrigado pela sua confiança! Um forte abraço! - Aécio Neves

 

 

 

 

         Encerrada a votação...

         Assim que foi divulgado o resultado, Aécio Neves telefonou para Dilma Rousseff parabenizando-a pela vitória e nos disse: "ressaltei [à presidente], considero que a maior de todas as prioridades deve ser unir o Brasil em torno de um projeto honrado e que dignifique a todos os brasileiros". Entendi o recado do meu candidato, removi toda a propaganda dele do ar e segui feliz o seu exemplo: estou em casa descansando.

         Ao me recuperar do desapontamento que senti pela escolha melancólica, publiquei na minha linha do tempo no Facebook que não estava nem com cabeça para a minha página a mensagem que ele mandou para nós: "_ Eu serei eternamente grato a cada um e a cada uma de vocês que me permitiram voltar a sonhar e acreditar na construção de um novo projeto. As cenas que vivi ao longo dos últimos meses jamais sairão da minha mente e do meu coração..." Acrescentei que, pela leitura corporal que fiz, ele estava firme, "com a consciência do dever cumprido", sua voz acompanhava mais uma vez seus sentimentos e pensamentos: "combati o bom combate..." Sua esposa parecia radiante, brilhando mesmo! Aliados em torno estavam com os cantos dos lábios caídos, como se iniciassem um choro... Presumi - seria leviano de minha parte afirmar com segurança, apenas presumi - que D. Letícia Weber estava radiante de felicidade porque o sufoco da campanha acabou e ela e o marido poderiam ficar juntos mais tempo, essas coisas...

         Em seu discurso de vitória D. Dilma não teve a cortesia ou a decência de sequer mencionar o nome de seu adversário, como é protocolar nestas circunstâncias, optou por seguir com o mesmo discurso e no mesmo compasso, dirgindo-se mais a seus correligionários que ao povo brasileiro e num tom arrogante, determinou que todos se perfilem e ouçam o que ela manda quando "dialoga". Entendi pouco e o ruído que os aliados fizeram me impediu de entender o discurso todo. Encontrei quatro transcrições diferentes e não gostei de nenhuma pois não foi o que vi. Foi ao ar pela TV Globo aberta no dia da eleição, à noitinha. Vi muito constrangimento ao redor dela. Todo o mundo que a apoiou parece que o fez pressionado por algum valor que não coincide com os sentimentos internos de cada um, foi um apoio constrangido.

        Não posso me expressar sobre outros eleitores de Aécio Neves, eu fui encantado e seduzido por circunstâncias alheias a meu controle (o cara me pegou pelo coração!) e o apoiei com entusiasmo. Apoio constrangido, na minha idade, nem seria factível.

 

             O que significa "Leviano"

         Estamos, nós, brasileiros, hoje, revisando vários conceitos em múltiplos planos (pessoal, social...); alguns transcendem a essa revisão pois vogam há séculos no idioma português com o mesmo sentido, senão vejamos: "Leviandade: adjetivo, difundir informação incorreta, sem fundamento na concretude, na realidade". Precisei dessa linha para explicar a meus amigos o significado da expressão que usei (e um deles, por a desconhecer, ficou magoado comigo) quando circulavam fotos de um casamento em Gaza com umas menininhas bem pequenas e aparentemente muito felizes ao lado de alguns adultos e a legenda dizia algo como "adultos se casam com crianças em Gaza". Considerei aquele treco leviano: não tenho notícias remotamente plausíveis desse tipo de coisa a partir de meus amigos que moram em Gaza (lá tá um sufoco também, mas esse é outro assunto).

Daminhas de Honra conduzem seus irmãos ao altar em Gaza

 

Fui pesquisar e encontrei a informação correta; assim:

1 - Aquelas fotos são reais, verdadeiras e retratam uma cerimônia de casamento mesmo. Fez-se um casamento "em massa" dadas as dificuldades do local (precisava ocorrer num dia em que eles não estivessem sob bombardeio e estivesse fazendo sol, esse tipo de coisa)

2 - Irmãs caçulas (de três a seis anos) dos jovens que se casavam e tinham entre dezoito e quarenta e cinco anos os levavam até o altar onde se encontrariam com as futuras esposas.

3 - A idade das meninas que se casavam girava entre dezesseis e cinquenta anos.

4 - Continuamos sem relato de crueldades contra crianças em Gaza, jamais praticadas pelos moradores locais.

        Esclareci o caso a meu amigo que teve a paciência de me ouvir e teve a grandeza de reconhecer que fez uma divulgação leviana, passando a retificá-la sempre que a ocasião se apresentasse.

 

          O Outro

          Como interpretei com simpliciade e clareza o pequenino vídeo caseiro (menos de 2 minutos) com que o Aécio nos brindou na sua rede social de amigos, escrevi primeiro sobre ele. Agora estudo, no mesmo espaço e para  fins até comparativos, o outro. Repito, não estão dialogando. Aécio cumprimenta seus amigos no Facebook, reconhece mais uma vez a legitimidade do resultado das urnas e deste governo e se proclama firme na oposição. Lula trata de outro tema: analisa, "como petista" o resultado das Urnas.

          Trata-se de um vídeo sofisticado, em Alta Definição, produzido pelo Instituto Lula, disponível no Youtube e eu o postei logo abaixo para ser estudado. Dando pausa. Observando os detalhes...

          Cada pessoa interpreta os eventos que culminaram no último domingo, 26 de outubro, de acordo com a sua capacidade intelectiva, naturalmente. Eu interpreto do meu jeito, você interpreta do seu jeito e não há duas opiniões iguais acerca dos mesmos eventos que a memória humana funciona e é enormemente rica assim mesmo

 

         Como Lula os interpreta o resultado das urnas e como se pronuncia

          Nos primeiros três segundos de programa, Lula fala como cidadão brasileiro e principia dizendo: "como cidadão penso que foi uma vitória para a democracia" - eu também. A seguir começa a falar "como petista" e aí danou-se... De vermelho, zangado, se confunde "aqueles que votaram Lula, aqueles que votaram branco, aqueles que abstiveram...": não havia "Lula" na Urna Eletrônica. Quem digitasse "13" veria donadilma...

        "Aécio fica falando toda a hora que precisa destruir o PT". Não falou, não. Em nenhum momento. Esta campanha eu acompanhei atentamente. No debate da Globo, quando donadilma perguntou "que propostas o Sr. tem para combater a corrupção?" Ele disse textualmente "Vamos tirar o PT do governo". Só. Não falou em destruir nada, falou em tirar do governo. Nem mais, nem menos. Uma vez só. Não repetiu nenhuma vez até este instante.

        "Meu coração tá leve" diz um Lula que mal consegue disfarçar uma porção de contrariedades e insatisfações. Com o quê? Questões de foro íntimo, não podemos analisar.

         A seguir fala na "nova classe média", nas pessoas que "podem viajar de avião" - eu [Lázaro] podia quando estava na ativa da FAB, empobreci vexatoriamente e muito nos últimos anos, não sei como está essa nova classe média, não conheço um único brasileiro, aqui no Brasil real, tão longe daquele lindo da propaganda petista, que se encaixe naqueles parâmetros elencados por ele... Segue em campanha? Alguém precisa dizer a Lula que a eleição acabou...

         Vejo muita gente "falá mal do Bôça Famílha". Quem? Não conheço um único brasileiro que deixe de reconhecer os méritos do programa. Eu mesmo vejo bons aspectos no Programa Bolsa Família como garantir pelo menos o mínimo a quem não tem nada. Lamento que seja tão pouco, concedido somente a um tiquinho de gente (se fosse concedido a todos os brasileiros, todos nós estaríamos melhor e estimulados a buscar empregos) e usado como política de governo e não política de Estado. Isso (sugerir aprimoramentos) é "falar mal"? Bom, o Lula não estudou muito nem gosta, eu o perdôo. É como ele, o cidadão que não foi candidato a nada na eleição passada que está ali envergando orgulhoso sua camiseta vermelha, interpreta os eventos e eu respeito sua opinião. Perdeu meu respeito humano quando traiu sua biografia rompendo com o trigo e aliando-se ao joio do que de pior existe na política brasileira.

        "Antes do Bôça Famílha você parava no Semáforo em São Paulo e tinha dezenas de crianças pedindo esmola". No Rio sei que tinha mesmo e hoje tem é mais... Não conheço São Paulo; imagino que tenha também...

        Quando você tira as pessoas da miséria absoluta (ufa! Parou de falar aquela bobagem de "pobreza extrema") todavia infelizmente ainda há um déficit enorme a resgatar no Brasil. Estamos, ao lado da Argentina, do México e do Uruguai, na escala 5 do Índice Internacional do "Global Hunger Index", no Brasil apelidado de "Mapa da Fome". A escala vai até 100; 5 é legal mas vexatório para a 7ª Economia do Mundo, muito mais robusta que a de nossos vizinhos. Não "acabou a miséria absoluta", infelizmente, há muito chão pela frente...

         "Todo o mundo ganha com a ascenção das pessoas mais humildes." Concordo. E, sendo humílimo, concordaria com mais entusiasmo se suas palavras estivessem alinhadas com suas práticas! Lula vê um Brasil "que tinha gente pobre e hoje consegue comprar coisas" eu vejo meramente um bocado de gente que não tinha nada tendo parte do suficiente para sobreviver (com um reconhecido déficit a corrigir, por sinal) e, claro, sem que possamos confiar nas estatísticas, precisamos encontrar uma forma de aferir se a minha visão está obnubilada ou a do cidadão Lula o está. Lula é muitíssimo mais rico que eu, pode viajar a vontade para onde quiser no momento em que desejar, se ele não fosse tão mentiroso poderíamos confiar que ele retrata alguma realidade, não é o que vimos na última campanha...

        "Em que momento da história os empresários e banqueiros ganharam tanto dinheiro nesse país?" - pode ser que luladasilva esteja se dirigindo aos brasileiros que moram no exterior e/ou aos financistas (daí o cuidado e o esmero com um vídeo cuja produção deve ter saído ao custo de alguns milhares de Bôças-Familha). Alguns cortes abruptos no vídeo dão a idéia de uma edição trabalhosa...

       "Colocamos os pobres no orçamento nesse país". Taí uma coisa simples, fácil de entender e que eu concordo acrescentando: entraram no orçamento e lá estão para ficar, não há condições políticas para um retrocesso numa conquista tão benéfica aos brasileiros (todos, não os que se beneficiam diretamente). Como disse meu Amigo Tarcisio Lage: o PT quer ser a mãe da criança (porque "pai" é mais difícil de ter certeza), eu dou um passo adiante e digo: a criança tá viva e assim seguirá seja o governante quem for... Os pobres não precisam se sentir reféns de um governo, podem relaxar que, qualquer governo manterá essa conquista que é do Povo Brasileiro.

     "As pessoas estão se vestindo melhor, comendo melhor..." Quem, Lula? A última vez que consegui comprar sapatos (não me queixo, estou desempregado mesmo e vivo num país tropical, sandália tá de bom tamanho!) foi em 2005...

      "Demos cidadania à empregada doméstica"... Acompanhei isso, em diagonal, embora. Houve um debate na Câmara e no Senado e me interessou. Comentei com uma Amiga: "com tantos e tão vultuosos direitos trabalhistas, receio que o número de empregadas domésticas diminuirá muito, o que sequer é tão ruim pois é um tipo de emprego há décadas em desuso nos países centrais do capitalismo". Gente que passou por guerras e bombardeios não tem mais "empregadas domésticas"... Seja como for, com uma série de direitos trabalhistas garantidos (como deveria ser, há mérito na medida) a empobrecidíssima e antiga classe média (não essa nova que não se encontra aqui no Brasil concreto) vai aos poucos aprendendo o que os povos da Europa sabem há décadas: "limpar o chão do banheiro, fazer minha cama ou preparar meu lanche é comigo mesmo..."

        Lula reptete pra mim que eu estou "usando um sapato melhor"? Eu não tenho um par de sapatos pois o último que eu tinha, comprado em 2005, quebrou em 2009. Ando por aí orgulhoso em minhas sandálias havaianas que esse aqui é um país tropical e sapato eu já velho acho um saco! Se ele falar em sapato de novo eu saio da sala!

      Ele é meio confuso mas interpretei o que ele disse como "mesmo que você, outrora tão bem de vida, esteja vivendo hoje mais modestamente, saiba que há uma grande maioria que hoje tem muito do que era exclusivamente seu". Hmmm... Sei não... Se pelo menos tivéssemos boas estatísticas "nessepaíz"... Aqui em volta não é isso o que vejo não: quem tinha um pouco tem menos, quem não tinha nada conquistou pelo menos o necessário para sobreviver e, de fato, os banqueiros e apostadores de Wall Street jamais ganharam tanto. Tudo bem, se ele precisou dos meus sapatos para dar comida a gente miserável, se não tinha como fazer uma divisãozinha melhor por algum motivo "macroeconômico" que eu não entendo, vá lá... :(

     "Agradecer a Deus por essas políticas sociais" me parece exagerado. Há políticas sociais. Medianas. Medíocres. Acho que os social-democratas poderiam melhorá-las e profissionalizá-las. Em hipótese alguma vejo Lula (agradecendo a Deus ou não) como "o único homem capaz de encaminhar políticas sociais nessepaíz".

   "Aumentou o consumo das pessoas, diminuiu a mortalidade infantil..." De novo: se pelo menos pudéssemos contar com boas estatísticas...

    Vejo os governos estaduais social-democratas no Brasil e constato, até para meu espanto, que promovem as mesmas políticas sociais anunciadas na TV pelo governo federal. Nos estados e sem grande alarde pois são políticas incorporadas aos Estados, não "de governos". A insistência do PT de que "só o PT consegue promover políticas sociais" é descabida na concretude da nossa gente.

    Lula: "Se você fica alimentando o ódio, alimentando o preconceito. Tenho pena de gente que sente ódio, acho que nem dorme, acho que tem úlcera..." Meu caro... Há umas definições de dicionário para pessoas capazes de ver somente nos outros defeitos que não vêem em si mesmas...

     "É tão mais leve a gente ser bom"... Lula, você está ouvindo o que você está dizendo? Tem aí à mão alguns de seus vídeos de campanha? Sabia que no Nordeste já tem Internet e você pode ficar parecendo incoerente e inconsistente se alguém o viu expressando outro tipo de sentimento?

Lula apaziguador: "Tenho pena de gente que sente ódio. É tão mais leve ser bom..."

Hipocrisia, adj. - ver somente em outros os defeitos que temos

Lázaro Curvêlo Chaves - 31/10/2014

 

 

(*) - Consta que em certas áres do interior do Nordeste aquela expressão (leviano) virou recentemente sinônimo de coisas menos airosas, mas não tenho, daqui de onde estou, como aferir...

 

Cultura Brasileira no Facebook Aécio Neves no Facebook